AS CULTAS (9)

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

O que há por trás desse palavrório com que pretendemos adornar nossa locução?

Disseram-nos que quanto mais complicado falamos, mais cultos parecemos. Ensinaram-nos palavras difíceis na escola e mais difíceis ainda na universidade. Convenceram-nos que dizer “nádega” é vulgar, mas dizer “glúteo” é educado. E se nos referimos ao “derrière”, indubitavelmente já galgamos o supra-sumo da cultura.

Imitando a locutores comerciais ou estrangeiros aprendemos a apresentar os discos com palavras rebuscadas, até extravagantes. Dar a hora certa dizendo: “dez minutos completaram às 16 horas”. A comprazer às “distintas moçoilas” e a entrevistar ao “alcaide”. O importante era separar-nos do vocabulário das pessoas comuns. Isto é, de nosso vocabulário, porque a maioria das locutoras e locutores vêm dos setores médios e populares. Mas alguns têm vergonha de falar como falava sua mãe. E quando se colocam atrás do microfone o que mais fazem é o ridículo.

Do imperecedouro cofre dos devaneios, extraímos uma seleção musical para o deleite timpânico de nossa prestigiosa audiência.

Com essa linguagem “domingueira”, com esse enredamento de expressões, abusando dos jargões jorna-lísticos, não se pretende outra coisa que deslumbrar aos ingênuos. Mas as pessoas são espertas e descobrem o enrolador embora ele pareça muito judicioso.

Quer desmascarar estes pedantes? A melhor forma é aumentar a dose de sua própria droga. Aproxime-se a um deles que esteja preocupado e diga: Tranqüilo, irmão. Recorde que a perturbação climática, rosto jucundo.

Como ficará desconcertado, lhe dê uma tapinha no ombro e diga: Já sabes, vital líquido que não hás de ingurgitar, permite-lhe que discorra por seu álveo.

E quando passe uma pretensiosa com o nariz arrebitado comente: Pelo visto, cavidade gástrica satisfeita, víscera cardíaca eufórica.

O que há por trás desse palavrório com que pretendemos adornar nossa locução? A inflação de palavras costuma estar em relação direta ao vazio das idéias. Como dizem que disse o ilustre Sigmund Freud, alguns oradores cumprem este lema: Já que não somos profundos… ao menos sejamos obscuros!

Relata-me com quem deambulas e manifestarei tua idiossincrasia.
Diga-me com quem andas e te direi quem és.

Temos que mudar a mentalidade redescobrir a verdadeira força da cultura popular. Para o locutor profissional, para a inteligente locutora, o mais elegante não será o mais difícil, mas o mais simples. E a palavra mais culta será aquela que mais pessoas entendam, E o melhor elogio que escutaremos será quando digam de nós: Fala como seu povo.

Como falam os locutores e locutoras de outras emissoras?
Como falam teus próprios colegas?
Como você fala?
Dê a tua opinião!
BIBLIOGRAFÍA
Locución en la radio popular, ALER, Quito 1991.

AS CULTAS (9)

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.