37- O GRITO DE LÁZARO

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Aquele ano foi um ano ruim em toda a Galiléia. As tempestades de verão haviam arruinado as colheitas. O trigo perdido, o centeio perdido, os olivais estragados. A fome chegou a cavalo e bateu em todas as portas. E com a fome, chegaram as epidemias e o desespero. Os camponeses vendiam por qualquer preço os frutos das próximas colheitas que ainda nem haviam semeado. Os agiotas faziam das suas e emprestavam dinheiro a juros de 80 e 90 por cento. A cada dia apareciam mais mendigos nas cidades. Também em Cafarnaum…

Jesus: Olhe, João, lá vão eles outra vez…

João: Sim, Jesus, vão sentar-se na frente da casa do latifundiário Eliazim. Assim passam o dia, esperando que joguem o lixo para depois pegarem uma casca de melão ou alguma migalha…

Jesus: Não, não, isto não pode continuar assim!

João: Hoje são os camponeses, Jesus, amanhã seremos nós, os pescadores do lago. E depois, os artesãos. Isso não vai acabar nunca.

Jesus: Vamos com eles, João, vamos para frente da casa do Eliazim…

Um mendigo: Mas, o que você está dizendo, nazareno?… Deus?… Esquece, Deus não nos ouve. Está com as orelhas entupidas.

Jesus: Não, o que acontece é que vocês estão gritando muito baixo, não é verdade, João?

João: É isto mesmo. Venham, vamos todos juntos gritar bem forte até que as pedras se arrebentem!

Jesus: Até que o Deus do céu escute o alarido dos famintos e faça alguma coisa por nós.

Mendigo: Pois então vamos gritar, minha gente…!

Todos: Aaaah…! Aaaah…! Aaaah…!

Jesus: Uma noite, Deus estava descansando lá em cima, em sua casa no céu e Abraão passou em frente à sua porta…

Deus: Ah! Meu amigo Abraão, venha cá…!

Abraão: Pois não, meu Senhor.

Deus: Abraão, o que está acontecendo na terra, pois estou ouvindo tanto barulho? Você não está ouvindo? Escute bem…

Mendigos: Aaaah…! Aaaah…! Aaaah…!

Abraão: É como o ruído de muitos trovões anunciando tempestade. Ou como o rugido de um terremoto que se aproxima.

Deus: Você está enganado, Abraão. Não é nada disso. Escute bem…

Mendigos: Aaaah…! Aaaah…! Aaaah…!

Deus: São lamentos e gritos de homens e mulheres. E de crianças também. Não está ouvindo? São meus filhos, Abraão! Alguma coisa de grave deve estar acontecendo. Vai, desce imediatamente lá na terra e investigue o que está acontecendo. Ficarei esperando impaciente.

Abraão: Às ordens, meu Senhor. Vou imediatamente.

Jesus: E o velho Abraão calçou as sandálias, pegou seu cajado e se pôs a caminho tão rápido e obediente como naquela vez, quando saiu de Ur, na Caldéia, rumo a uma terra desconhecida… Em pouco tempo, Abraão voltou suando à presença de Deus.

Deus: Já voltou, Abraão?

Abraão: Sim, meu Senhor. Estive lá só por alguns segundos, e quase me arrebentam os ouvidos. O alarido dos homens é como uma caldeira fervente, como um vulcão a ponto de explodir. Os gritos são ouvidos nos quatro cantos da terra.

Deus: Mas, diga-me, o que está acontecendo? Por que meus filhos estão gritando?

Abraão: Eles têm fome. Por isso gritam.

Deus: Fome? Não pode ser. Quando eu criei a terra, no princípio de tudo, planejei bem as coisas. O que você está pensando?… Que sou um irresponsável?… Não, eu pus muitas árvores frutíferas, semeei muitas sementes que dão alimento abundante, fiz voar muitas aves no céu e coloquei a nadar muitos peixes nos rios e pus muitos animais de carne saborosa na terra. Tudo criei para alimento do homem. Isso sem contar as riquezas que escondi nas entranhas do mundo e dos mares. Não podem ter fome. Há comida suficiente para alimentar todos os homens que crescem e se multiplicam sobre a terra. Tudo estava previsto, tudo estava bem feito. Por que acontece isso agora?

Abraão: O Senhor se esqueceu de um detalhe.

Deus: Qual, Abraão?

Abraão: Os próprios homens. Acontece que eles começaram a repartir a terra… compreende?

Deus: Creio que sim… “Quem parte e reparte fica com a melhor parte”, não é isso?

Abraão: Exatamente. Foi isso que fez um pequeno grupo. Ficou com tudo. Tem toda a comida estocada em seus armazéns.

Deus: E os outros, fazem o quê?

Abraão: Os outros ficam gritando, sentados à porta das casas dos ricos, esperando que joguem o lixo pela janela, para pegar os restos e comê-los. Têm muita fome.

Deus: Não posso acreditar no que você está me dizendo, amigo Abraão… É isso que meus filhos fazem na terra?

Abraão: Exatamente isso, Senhor.

Deus: Quando ouço estas coisas, Abraão, perco a paciência. Fico tão furioso que tenho vontade de chamar todas as nuvens do céu, como já fiz uma vez nos tempos de Noé, e dar-lhes ordem de dilúvio, que chova sem parar até afogar a terra. Porque fico envergonhado de ter uns filhos assim, que não têm um coração de carne, mas uma pedra escondida no peito.

Abraão: E o que podemos fazer, meu Senhor?

Deus: O que podemos fazer?… Por acaso não sou eu o juiz do céu e da terra?… Miguel, Rafael, Gabriel e Uriel, venham cá, agora mesmo!

Jesus: Os quatro arcanjos se apresentaram num piscar de olhos…

Deus: A terra está sob juízo. Desçam agora mesmo até um desses que gritam de fome e peguem sua declaração. Tragam-me também um desse grupinho que está se banqueteando, desses que têm as tripas cheias e os armazéns cheios também. Quero interrogar os dois. Vão, depressa!

Jesus: Os arcanjos deram meia volta e desceram ligeiro à Terra. E se aproximaram de onde vinha a gritaria. Miguel e Rafael agarraram pelos ombros um daqueles que morriam de fome. Gabriel e Uriel fizeram o mesmo com o rico que também morria, mas estufado… E os dois foram levados diante do tribunal de Deus.

Deus: Está aberta a sessão. Vejamos, você primeiro, como se chama?

Lázaro: Lázaro, Senhor.

Deus: Você é um daqueles que estavam gritando lá em baixo, não é verdade?

Lázaro: Sim, Senhor.

Deus: E posso saber por que você e seus companheiros faziam tanta gritaria?

Lázaro: Porque nossos filhos morrem de fome, porque nossas mulheres têm os peitos secos, sem uma gota de leite para alimentá-los. Porque os joelhos de nossos homens tremem depois de sete dias sem comer. Por isso gritamos. Gritamos dia e noite até que a justiça seja feita. Olhe para mim, Senhor, olhe como estou… O Senhor pode contar cada uma de minhas costelas… Formam-se feridas aqui e ali, onde os ossos não encontram carne e arrebentam a pele esticada… Então vem os cães a lamber-me e eu deixo porque a saliva do cachorro alivia a ferida da fome.

Deus: Não diga mais nada, filho. É o suficiente… Você, Abraão, quer fazer alguma pergunta?

Abraão: Você diz que tem fome… Mas alguns acham que isso acontece porque vocês não gostam de trabalhar. Porque são preguiçosos.

Lázaro: Não, pai Abraão, não acredite nessa história. Toda nossa vida não foi mais que suor e trabalho, dobrar o lombo como os animais. Mas são eles, os ricos, os que bebem nosso suor e chupam nosso sangue. Eles nos espremem como uvas no lagar. Nos esmagam como azeitonas sob a pedra do moinho. São eles que têm recolhido tudo e nem as migalhas de sua mesa nos deixam comer.

Jesus: Deus tinha os olhos marejados ouvindo a declaração do pobre Lázaro. Quando acabou de falar, Deus se levantou, avançou alguns passos e encarou o rico…

Deus: E você, quem é?

Epulão: Eu me chamo Epulão.

Deus: O que você tem a dizer diante do que meu filho Lázaro declarou?

Epulão: Bem, francamente, eu não sabia nada disso, eu não…

Deus: Você sabia, sim…! Ou você é surdo? Não, você ouve perfeitamente. Por que não escutou os gritos de todos aqueles que estavam sentados diante de sua porta, berrando de fome, pedindo que compartilhasse com eles o que lhe sobrava?… Eu os escutei daqui do céu, e você não os ouviria já que estava junto deles?

Epulão: Senhor, eu… sabe o que é?… Na festa havia muito barulho e… não conseguia ouvir.

Deus: Mentiroso! Agora sim você vai ouvir. Abre bem as orelhas porque vou dar minha sentença: você é acusado de assassinato, rico Epulão; é acusado de haver matado de fome seus irmãos ou de deixá-los morrer, o que dá no mesmo.

Epulão: Mas, Senhor, a fazenda era minha, o trigo era meu, os armazéns eram meus, de minha propriedade… por que tinha de dar o que é meu a este cujo nome eu nem sei?

Deus: Meu, meu, meu! Com que direito você chama de seu o que não é seu? O mundo e tudo o que há nele fui eu quem fiz. Eu o criei desde o princípio. É meu. E eu o empresto a quem eu quiser. Quem é você? O que você tem que não haja recebido? Nu você saiu do ventre de sua mãe e nu voltará para o ventre da terra… A única coisa que é sua é a cinza, esta é sua única propriedade.

Epulão: Tenha piedade de mim, Senhor, tenha piedade de mim…

Deus: Você nunca teve piedade de seus irmãos. Quis ficar sozinho, e ficará sozinho para sempre.

Deus: E você, Lázaro, venha descansar. Já sofreu bastante.

Lázaro: Não posso, Senhor. Como vou descansar, sabendo que meus companheiros continuam gritando lá em baixo?… Não os ouve?

Deus: Tem razão, filho… pensando melhor, sabe o que vou fazer? Vou descer com você à Terra. Abraão!

Abraão: Às ordens, meu Senhor.

Deus: Abraão, empreste-me suas sandálias.

Abraão: Sim, meu Senhor.

Deus: Você ficará aqui em cima, Abraão. Aqui há paz e glória. Mas a Terra é um inferno por causa do egoísmo de uns contra os outros. Eu faço mais falta lá em baixo, no meio da gritaria dos meus filhos.

Abraão: Mas, Senhor, ficou louco? Como vai deixar vazia sua casa aqui no céu?

Deus: Não importa. Minha casa está lá em baixo, com os que não têm casa, com os milhares de lázaros como este que não têm nem onde reclinar a cabeça. Vamos, Lázaro, depressa! Vamos começar um Reino de Justiça para os pobres do mundo. Eu estarei com vocês hoje e sempre, todos os dias, até que as coisas mudem.

Um mendigo: Mas as coisas não mudaram, amigo. Cansamos de gritar e, olhe só… a porta do latifundiário continua fechada. Dom Eliazim é sovina e cruel como o rico da sua história.

Jesus: Bah! Dele e de gente como ele não há muito que esperar. Mas olhem, outras portas se abriram… Ei, dona Ana, venha cá um momento!

Uma vizinha: O que foi? Que gritaria estão fazendo, heim? Estão arrebentando meus ouvidos.

Mendigo: Estamos com fome.

Vizinha: Bem, na verdade eu também não tenho muito, mas… Vamos ver se colocamos um pouco mais de água na sopa!

O velho Samuel também abriu sua porta. E Joana, a mulher de Lolo. E Débora. E o corcunda Simeão…

As portas dos pobres se abriam para receber outros mais pobres que eles… Sim, o Reino de Deus estava perto de nós…

*Comentários*

Na Palestina, como no resto do mundo antigo, as catástrofes naturais – que o homem não sabia nem prevenir nem dominar – eram causa de grandes carestias que açoitavam periodicamente o país. Fortes secas, furacões, chuvas torrenciais destruíam as colheitas, principal fonte de renda para a maioria da população. Situações assim determinavam uma forte subida dos preços dos alimentos básicos. Aumentavam os mendigos nas cidades e nos caminhos. Os especuladores e atravessadores tiravam vantagem da situação. Exatamente igual ao que acontece hoje em dia.

Em todas as culturas existem contos nos quais se descreve a mudança de sorte que experimentarão os homens no mais além. São uma forma de expressar a rebeldia popular diante das injustiças da história. Baseando-se em narrações desse tipo, Jesus contou a parábola do rico Epulão (opulento) e do pobre Lázaro. Entra na série das parábolas nas quais quis mostrar aos seus ouvintes, de uma forma dramática, as exigências de justiça que tinha o Evangelho. O nome de Lázaro – que significa “Deus ajuda” – tem importância na parábola: Deus ajuda o pobre, por mais que na vida tenha sido “o que não conta”.

Na parábola, Deus põe em juízo, na pessoa de Epulão e de Lázaro, os ricos e os pobres. E ao ouvir as razões dos dois, toma partido de Lázaro. A dor dos pobres é a dor de Deus. Ao contrário, o rico é surdo a esse grito de angústia. A riqueza endurece o coração do homem e tapa seus ouvidos. Por isso o rico não pode entrar no Reino de Deus – que é um reino de igualdade – se não renuncia a suas riquezas.

No mundo atual, há alimento suficiente para que todos os homens de todos os países possam comer bem. E há suficiente matéria prima para que cada família possa viver uma vida digna. É falso que o mundo esteja super povoado. A maioria dos países do Terceiro Mundo está vazia. É falso também que seja a quantidade da população a causa da pobreza de tantos milhões de pessoas. A causa da pobreza das maiorias é a excessiva riqueza de uns poucos. A muitos falta, porque a alguns sobra. Deus não tolera esta situação. Ele fez o mundo, suas riquezas, seus frutos, suas minas, em abundância para que fossem suficientes a todos. Mas a ambição de uns poucos acentua dia a dia a diferença entre ricos e pobres. Os alaridos dos pobres – gritos de angústia, de protesto e de rebeldia – chegam aos ouvidos de Deus. E sua forma de responder é tomar partido por sua causa. Deus fica do lado dos pobres e também luta por eles. A causa da libertação dos pobres deste mundo é a causa de Deus. Sempre que se consegue uma maior igualdade entre os homens se faz realidade o evangelho de Jesus.

Ainda que a parábola fale do além, da justiça que Deus fará na outra vida, a mensagem constante do Evangelho é para agora, para o aqui. Por isso, neste episódio, Deus coloca as sandálias de Abraão e desce à terra para começar a libertação dos famintos: Este é Jesus, o mensageiro de Deus, o porta-voz da pressa que Deus tem em fazer andar seu plano de repartir os bens da terra com todos os seus filhos.

Ser cristão é deixar de dizer: “Isto é meu” para dizer: “isto é nosso”. O rico se obstina em defender sua propriedade. Ao fazer isso, contradiz o projeto de Deus. Dizia Santo Ambrósio: “Tu não dás ao pobre do que é teu, mas devolves o que é dele. Pois o que era comum e que foi dado para uso de todos, tu o usurpaste. A terra é de todos, não só dos ricos”. (Livro de Nabuthe). Ser cristão é compartilhar, criar comunidade, também de bens. O pobre é mais livre e está sempre mais capacitado que o rico para pôr em comum com outros o pouco que tem e para aprender a dizer “nosso”.

Esta parábola foi utilizada comumente para falar do inferno e de um Deus cruel que nega até uma gota de água ao rico Epulão, que quase se converteu ao ver os castigos que o esperavam… Jesus não quer meter medo com as chamas do inferno, nem apresentar um Deus vingativo. O que ele quer é mostrar a severidade, a radicalidade do juízo de Deus que não se deixa enganar pelas desculpas do rico. E deixar bem claro que no Reino de Deus não há lugar para os que fecham suas entranhas à miséria de seus irmãos: só os que compartilham seu pão com os famintos terão um lugar junto a Deus.

(Lucas 16,19-31)

37- O GRITO DE LÁZARO

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.