83- OS CONVIDADOS AO BANQUETE

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Quando regressamos da Festa das Tendas, a Galiléia estava alvoroçada. Os rumores do que Jesus havia feito na capital chegaram a Cafarnaum antes de nós. Por todo lugar se falava do novo profeta. Jacó e Simão, os primos de Jesus, voltaram de Jerusalém na mesma caravana e passaram aquela noite na casa de meu pai, Zebedeu.

Simão: Temos de reconhecer que você está ficando famoso, primo. Mas se me permite, vou dizer o seguinte: Você tem boa língua pra falar e boa mão para dirigir. O que lhe faz falta é gente. Jacó e eu vínhamos falando disso… Você não tem gente que o apóie…

Jesus: E todos aqueles que estavam esta tarde no cais, o que eram então, primo Simão?

Simão: Bah, andrajosos e pobres diabos. Aonde, diacho, você pensa ir com essa tropa de mendigos?

Jacó: E se fossem só mendigos! De quem você está rodeado, Jesus? De um punhado de pescadores que não sabem nem onde têm a mão direita…

Simão: Mateus, esse asqueroso publicano…

Jacó: Aquela fulana, a tal Maria, que recende perfume de rameira por todos os poros…

Simão: E aquela outra, a Selenia, igual a ela…

Jacó: E camponeses rudes e malandros…

Simão: Em que cabeça isso pode caber, Jesus? Escute o que estamos dizendo, primo, procure outro tipo de gente, gente com mais preparação, caramba!… e também com mais… como direi?… com mais “influências”… Esses são os que movem o mundo… Será que você ainda não entendeu isso? Abra os olhos, Jesus, acorde, homem!

Gerasia: Abre os olhos, Elizeu, acorde!… Feliz aniversário!… Como se sente nesta manhã?

Eliseu: Ahuuuummm…! Muito bem, Gerasia, melhor que nunca! Tralará, tralari, tralararari!

Josué: Feliz aniversário, patrão! Que o Deus de Israel o abençoe da ponta dos cabelos do cocoruto até às unhas dos pés!

Eliseu: A você também, Josué! Ah, caramba, hoje me sinto tão feliz, tão contente que queria… queria!…

Gerasia: O que, Eliseu?

Eliseu: “Queria ter você em meus braços, amada minha”… Tralará, traliri… Rá, rá, raí…!

Gerasia: Você levantou com o pé direito, sim senhor! A alegria é a melhor companheira do homem!

Eliseu: Eu queria que todos os vizinhos se alegrassem comigo!

Josué: E por que você não faz isso, patrão? Faz muito tempo que não temos uma festinha em casa!

Eliseu: Você tem razão, Josué. Mas nada de festinha. Quero uma festona! Vamos preparar um grande banquete, diacho! Durante o ano a gente já passa por tanto sufoco, que tirar um dia para um respiro não fará mal. Gerasia e Josué: vamos fazer uma surpresa para toda a vizinhança. Uma festa com boa comida, com boa bebida…

Josué: E com boa música para mexer as cadeiras! Yupii!!

Eliseu: Josué, vai agora mesmo ao curral e mate os cinco melhores cordeiros do rebanho..

Josué: Cinco cordeiros bem gordos… e o que mais?

Eliseu: Gerasia, compre um par de caixas de azeitonas…

Gerasia: Das verdes ou das pretas, patrão?

Eliseu: Duas das verdes e outras duas das pretas. E não se esqueça dos figos!

Gerasia: E uma bela panela de grão-de-bico!

Josué: E beringelas e pepinos…

Eliseu: E molho de amêndoas!

Gerasia: E muitas nozes!

Eliseu: Josué, vai ordenhar as cabras e que hoje corra leite pelas barbas de todos os meus amigos!

Gerasia: O leite e o mel, que escorram até a barra do vestido!

Josué: E o vinho! Quantos barris eu trago, patrão?

Eliseu: Dois barris… Não, dois não, compre quatro… quatro barris do melhor vinho do Carmelo! Quero que todos saiam alegres da minha casa!

Gerasia: Sairão alegres e de quatro, Eliseu, porque com tanto vinho…

Eliseu: Tralará, tralari…!

Josué: Mas falta o mais importante, patrão!

Eliseu: Como o mais importante?

Josué: Os convidados. Quem você vai convidar?

Eliseu: Todos os meus vizinhos…! Todos, sim senhor! Mande recado para Dom Apolônio, para o doutor Onésimo.. ah, e para o Absalão e sua querida esposa dona Eurídice… Para todos, Josué, diga-lhes que os espero de braços abertos. Que esta noite venham todos ao banquete! Quero que hoje minha casa esteja repleta de amigos e de alegria!

Eliseu: Tudo preparado, Josué?

Josué: Sim, patrão, não fique nervoso…

Eliseu: Não são os nervos, Josué… é a alegria que estou sentindo… Gerasia, Gerasia… os cordeiros já estão assados?

Gerasia: Requeteassados, Eliseu! Você já me perguntou mais de dez vezes…

Eliseu: Você não se esqueceu das tâmaras, não é mesmo?

Gerasia: Não, patrão. Está tudo pronto. Fique tranqüilo…

Eliseu: É que estou tão contente… Tralará, tralari…! Josué, você já deu o recado a todos os convidados?

Josué: A todos, patrão. Olhe só as bolhas que tenho nos pés de tanto andar pra cima e pra baixo… Fui à casa de Dom Apolônio, à do doutor Onésimo… do Absalão e…

Gerasia: … e de “sua querida esposa dona Eurídice”! Rá!

Eliseu: Ouviram?… A primeira vigília da noite.

Josué: Pois os convidados já devem estar chegando…

Gerasia: Bom, Eliseu, você já sabe como é esta gente. As mulheres fazendo as tranças… Os homens untando os bigodes com azeite… resultado, sempre chegam tarde…

Apolônio: Mas, que cabeça essa de convidar a mim, homem com tantas ocupações como eu, para chupar ossos de cordeiro na casa dele!… Puf, este Eliseu está meio maluco… Além disso, ele é um homem sem fortuna e sem negócios. De que vou falar com ele, diga-me, dos passarinhos do céu? Um maluco e extravagante, por isso está como está, sem um centavo no bolso!

Mensageiro: Bom, Dom Apolônio, o que vou dizer a ele?

Apolônio: O que lhe passar pela cabeça. Diga-lhe que não estou em casa, que você não sabe para onde eu fui… ou que comprei umas terras e tive de ir medi-las, que me desculpe…

Pouco depois, chamaram à porta de Eliseu…

Eliseu: Já chegaram! Já chegaram! Gerasia, corre, vai abrir-lhes a porta! Tralará, traliri!…

Gerasia: É um mensageiro, patrão…

Mensageiro: Meu amo, Dom Apolônio, pediu para dizer-lhe que não poderá vir porque está viajando… que o desculpe!

Eliseu: Mas como disse isso se estava de viagem?

Mensageiro: É que ele comprou uma terra e foi medi-la e… e que todos vocês aproveitem bem a comida!… Adeus!

Eliseu: Que pena, gostaria tanto de cumprimentar Dom Apolônio.

Gerasia: É que Dom Apolônio tem muitas ocupações e muito dinheiro…

Josué: Já estão anunciando a segunda vigília, patrão!

Gerasia: E até agora não veio ninguém… Os cordeiros e os grãos-de-bico vão esfriar…

Eliseu: Bem, mulher não se impaciente… eles vão chegar… Tralará, tralari…

Mensageiro: E o que lhe digo, doutor Onésimo?

Onésimo: Qualquer coisa, rapaz. Esse Eliseu é tão bronco que nem vai perceber… Ah, dizia meu mestre Jeconias: “um homem sem cultura é como um monte de excrementos, quem o toca, sacode a mão”… Se você fala dos mistérios da ciência ele não entende; se lhe explica as sutilezas da arte, cai no sono; se você diz: conhece a Filosofia?”, ele responde: “em que rua mora esta mulher?”… Ah, pobres ignorantes!

Mensageiro: Bom, doutor Onésimo, o que eu vou dizer a ele?

Onésimo: Diga a esse Dom Ninguém, que não posso ir… que acabei de comprar uma junta de bois e tenho que prová-las, Ré, ré! Que me desculpe!

Novamente bateram à porta…

Eliseu: Até que enfim chegaram os convidados. Gerasia, depressa!

Mensageiro: Mensagem do meu amo, o doutor Onésimo: ele, o doutor Onésimo mandou-me dizer a Dom Ninguém… perdão… a Dom Eliseu… que não pode vir ao banquete porque comprou uma junta de bois e que… que lhes aproveite a todos a ceia… adeus!

Eliseu: Adeus…

Josué: Que azar, patrão…

Gerasia: É que o doutor Onésimo tem muita cultura…

Eliseu: E muita cara de pau, isso sim… Escute, Gerásia, já está soando a terceira vigília… e minha casa está vazia…

Gerasia: Não fique triste, Eliseu… eu acho que eles já estão pra chegar…

Eliseu: É bem capaz. Vamos esperar mais um pouco. Trarirá… lira…

Eurídice: À casa de um homem tão vulgar?… Ai, não, querido, sinto muito, sinto muitíssimo mesmo, mas esse tal Eliseu não tem classe, não tem modos… Ai!

Esposo: Mas o que vamos dizer, querida esposa Eurídice?

Eurídice: Para um porco, qualquer algaroba é boa! Diga-lhe que… que acabamos de nos casar… que ainda estamos em lua-de-mel… Ai!

O mensageiro chegou até a casa de Eliseu…

Mensageiro: É que eles acabaram de se casar e ainda estão em lua-de-mel… Ai!

Eliseu: O que há?

Mensageiro: Não há nada. É que eles não vêm.

Gerasia: Mas esses dois já se casaram faz mais de um mês…

Mensageiro: É que eles têm muito amor e…

Eliseu: Muito amor e pouca vergonha! Puff… que fracasso… Daqui a pouco os galos vão cantar e não veio um só dos convidados…

Gerasia: Os cordeiros já estão mais frios que um defunto.

Josué: E os barris de vinho também descansam em paz.

Gerasia: Patrão, Eliseu, será que não confundiram a casa e por isso não vieram?

Eliseu: Não, Gerasia, não. Fui eu que confundi os convidados. Tarariró… Josué!

Josué: Mande, patrão!

Eliseu: Josué, calce as sandálias e saia agora mesmo pelas vielas e pelos barracos e traga para cá os mendigos, os coxos, os cegos, a todos os maltrapilhos que você encontrar.. Diga-lhes que venham à minha casa, que eu tenho um banquete preparado para eles…

Gerasia: Você ficou louco, Eliseu?

Eliseu: Não, agora sim é que estou são. Agora eu compreendi. Corre, Josué, avise-os logo, antes que amanheça…

E depois de algum tempo…

Josué: Patrão, o bairro todo está alvoroçado! Estão vindo muitos para cá!… Digo para eles que já não cabe mais?

Eliseu: Ao contrário, Josué, torne a sair e diga a todos que estão com fome que venham, que ainda há lugar na minha casa, que tem cordeiro e azeitonas e vinho para todos eles!

Josué: Sim, patrão, estou indo! Ouça, patrão, na rua eu me encontrei com uma dessas tipinhas, o senhor sabe… e ela me disse que o negócio vai mal, que se também pudesse vir comer alguma coisa…

Eliseu: Claro, Josué, diga-lhes que venham ela e suas companheiras.

Josué: E os que vivem do outro lado do rio me perguntaram se…

Eliseu: Que venham também! Que venham todos os maltrapilhos, os pobres diabos, os que fedem à sarna e as que cheiram perfume de jasmim! Para esses é minha casa e meu banquete, para esses eu tenho as portas abertas de par em par!

Jesus: E, naquela noite, a casa de Eliseu se encheu de gente até transbordar. E houve baile e comida e alegria. Foi uma grande festa… a festa de Deus.

Simão: Como você disse, Jesus?… A festa de Deus?

Jesus: Sim, primo Simão, o Reino de Deus é assim, como o banquete de Eliseu. A verdadeira casa de Deus não cheira a incenso, mas a suor e perfume de prostituta. Deus é dos nossos, não se esqueça. Deus está conosco, os de baixo.

*Comentários*

O fato de que Jesus, um homem com grande popularidade, a quem o povo via como um autêntico profeta, estivesse rodeado das pessoas mais baixas de Cafarnaum ou de Jerusalém, tornava-se um escândalo. Fazer dos pobres de Israel os destinatários privilegiados da boa notícia e confiar neles para que fossem o fermento da mudança, era intolerável. Jesus contava com isso e inclusive chamou de “bem-aventurados” os que fossem capazes de superar semelhante escândalo (Mt 11, 5-6).

Os seguidores de Jesus são designados nos textos evangélicos com várias palavras que apontam todas para uma mesma direção. Fala-se de “os pequenos”, ou “os menores”, ou “os simples”. Outra palavra usada é “nepis” (em grego), equivalente a “päti” em hebraico e “sabra” em aramaico, um vocábulo em que se resume: gente inculta, sem nenhuma formação e às vezes nada piedosa. Jesus teve ao seu redor os “amha’ares” – como os chamavam os fariseus – homens e mulheres de má reputação, mal afamados, a quem por sua ignorância religiosa e seu mau comportamento moral consideravam os decentes que se lhes fechariam as portas da salvação. A eles Jesus chamará simplesmente “os pobres”. São os que nada tem, “os que estão angustiados e fatigados”, “os que andam como ovelhas sem pastor”. Jesus, que provinha da mesma classe social, um artesão e camponês, anunciou a eles a boa notícia de sua libertação.

Muitas das parábolas de Jesus tratam de “justificar” a conduta de Deus, que dirige sua boa notícia aos mais miseráveis. Uma delas é esta “do grande banquete”, em que Jesus demonstra uma vez mais uma das razões desta preferência de Deus: Os ricos, os privilegiados, os sábios, têm tão alto conceito de si mesmos, estão tão satisfeitos e tão seguros que fecham para si mesmos as portas da festa. Deus os convidou, mas eles não têm nenhuma vontade de aceitar o convite. Ao contrário, os pobres, aqueles que não contam para ninguém nem para nada, estão abertos ao convite. Demonstram capacidade de assombro, de surpresa. Têm esperança e vão. É com eles que Deus conta para seu projeto histórico e são eles os que abarrotarão sua casa e participarão da festa sem fim.

Desde os profetas, Israel descrevia alegria dos tempos messiânicos com a imagem de um banquete com boas comidas e, sobretudo, com bebida em abundância (Is 25, 6-8). Na mentalidade popular, a diferença básica da comida corriqueira e um banquete, estava precisamente na quantidade de bebida que se consumia. O vinho era sinônimo de celebração e alegria. Como também o era o baile. Falar em festa era falar em dança, a tal ponto que a palavra hebraica equivalente a “festa”, significava primitivamente “baile”. A festa do Messias também foi comparada a um banquete de casamento. Até o Apocalipse, o último dos livros do Novo Testamento, conserva esta imagem das bodas messiânicas (Ap 19, 7-8). No interior destas alegorias solenes e brilhantes, Jesus enfia com uma cunha “o escândalo” do evangelho: os convidados a este banquete são os maltrapilhos, os mendigos, os últimos, a chusma.

Superar o escândalo dos pobres é básico para entrar no miolo do evangelho e, o que é mais importante, no próprio mistério de Deus. A partir de Jesus, os pobres não serão somente os destinatários privilegiados da boa notícia, mas são os chamados a tomar parte do Reino. Tudo isso significa que, desde Jesus, só tem reto sentido de Deus quem tem o sentido do pobre.

O evangelho está chamado a apagar diferenças de todo tipo entre os homens, aponta para uma sociedade igualitária e fraterna. E, como já acontecia nos tempos de Jesus, a única coisa que pode fazer-nos compreender qual é o projeto de Deus é repetir o exemplo de Jesus: colocar Deus nas mãos dos pobres.

(Mateus 22, 1-10; Lucas 14, 15-24)

83- OS CONVIDADOS AO BANQUETE

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.