98- COM AS MÃOS SUJAS

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Quando já estávamos há dois dias em Jerusalém, o magistrado Nicodemos, que havíamos conhecido em outra de nossas viagens, apareceu muito cedo na taberna de Lázaro, em Betânia. Queria ver Jesus…

Nicodemos: Um sujeito aberto, Jesus, pode crer. Mais aberto que um livro. Ouviu dizer muitas coisas sobre você e quer conhecê-lo. Pediu que o convidasse para comer na casa dele.

Jesus: Está bem. Diga a seu amigo que, se tem tanta vontade de nos conhecer, nós nos damos por convidados…

Nicodemos: Naturalmente, Manasses convida também seus amigos, Jesus, mas, não sei… Mas esse Mateus, o publicano… e também essa mulher…

Jesus: Quem? A madalena?

Nicodemos: Sim, ela mesma. Talvez não se sintam muito à vontade nesse ambiente…

Jesus: Começamos mal com esse sujeito tão “aberto”. Olhe, Nicodemos, você sabe que nós somos como as formiguinhas: onde vai um, vão todos.

Nicodemos: Sim, vá lá, mas… não queria que você tivesse problemas, é por isso. Com essa gente é preciso ir devagar… Compreende, Jesus?

Jesus: Que eles também compreendam, Nicodemos: ou todos ou nenhum.

E fomos todos. Os treze e também as mulheres. Naquela tarde saímos de Betânia quando começava a escurecer. Entramos na cidade pela Porta de Siloé e subimos a longa rua até a casa do fariseu Manasses, o amigo de Nicodemos, no bairro alto de Jerusalém.

Natanael: Demônios, Felipe, suas sandálias estão cheias de remendos… E essa casa é de gente fina…

Felipe: E o que você queria, Nata? Que viesse descalço? Eu só tenho um par.

Natanael: Devia ter pedido emprestado as do Lázaro. Ele tem os pés tão grandes quanto os seus.

Felipe: Pior o remédio que a doença! As sandálias de Lázaro têm um cheiro que fede daqui até o monte Sião!

Madalena: Pois eu estou muito bem, caramba! Coloquei um lenço novo. Para que nenhum desses senhores venha dizer que a gente não se arruma como deve!

Pedro: Olhe só essa madalena! Veja, moça, é melhor você não falar demais e esperar que os outros se sirvam primeiro para não meter os pés pelas mãos!

Na casa de Manasses os amigos de Nicodemos nos esperavam: três fariseus com suas mulheres. Os fariseus se consideravam os mais perfeitos cumpridores das leis de Deus e dos costumes dos nossos antepassados. “Fariseu” quer dizer “separado”. Eles se sentiam os escolhidos de Deus, melhores que todo mundo…

Manassses: Bem-vindos à minha casa, amigos! Entrem, entrem… Vamos lá, os serventes… Atendam os convidados!

Natanael: Prepare-se, Felipe! Agora vão perceber os remendos das sandálias!

Felipe: Pssh! Disfarce, Nata…

À porta, três criados nos descalçaram e nos lavaram os pés. Era o sinal de hospitalidade com que o dono da casa recebia sempre seus convidados. Mais adiante, no salão onde íamos comer, estavam postas seis grandes talhas cheias de água para as primeiras lavagens das mãos. Os fariseus eram muito escrupulosos com todos os ritos de limpeza. Mas, como nós não estávamos acostumados a eles, nenhum de nós lavou as mãos ao entrar…

Pérsio: Bem, senhores, creio que devemos fazer as apresentações. Antes de comer juntos, é de boa educação saudar-se.

Manasses: Bem, Nicodemos já deve ter falado de mim, Jesus. Esta é Sara, minha mulher…

Sara: Muito prazer em conhecê-los…

Neemias: Eu sou Neemias, magistrado do Sinédrio.

Pérsio: Também é encarregado do mercado de púrpura com o país de Tiro, ré, ré… Este que vocês estão vendo é o quinto homem de Jerusalém começando de cima… Tem meia cidade no bolso!

Neemias: Esta é Melita, minha mulher…

Melita: Ai, estou encantada! Tinha muita vontade de ver um profeta assim tão de perto!

Manasses: E aqui está Pérsio, doutor da Lei. Estudou as Santas Escrituras desde que tinha doze anos e as conhece de cor e de trás pra frente… Ah, que homem é este, até em sonhos recita os preceitos de Moisés!

Madalena: Pois eu tenho pena da mulher dele…

Pedro: Pssh! Cale a boca, Maria!

Manasses: Bem, Jesus, agora gostaríamos de conhecer seus… seus amigos.

Pedro: Pois então, é pra já! Eu sou Simão. Apelido, pedrada. Esse magricela é meu irmão André. E aqueles dois, o cabelo de fogo e o outro, são Tiago e João. Nós quatro somos pescadores e… bem é só isso.

Felipe: Eu, Felipe. Vendo coisas por aí, com um carroção e uma corneta. Este que vocês estão vendo é o homem mais importante de Betsaida, começando de baixo! E esse careca é o Natanael, meu amigo. Tem uma oficina de lã: ganha hoje e perde amanhã!

Natanael: Felipe, pelo amor de Deus…!

Melita: Muito interessante, muito interessante…

As apresentações continuaram e, quando acabaram, enquanto os criados preparavam a mesa, as mulheres dos fariseus cochichavam entre si, olhando-nos de rabo-de-olho e com risadinhas entrecortadas…

Melita: Já se via pela cara que só podia ser ela… a rameirinha. Que desavergonhada! E ainda se atreveu a vir!

Sara: Dizem que se chama Maria…

Melita: Não, querida, Maria é o nome da mãe do profeta…

Sara: Vai ver que é outra rameira, porque essa aí também se chama Maria! Tome cuidado, se você se descuida ela lhe rouba o marido com uma piscadela!

Melita: Que é isso, essa aí já tem o bastante com o seu profeta… Dizem que Jesus a leva para todo lugar… por algum motivo há de ser, eu acho…

Pérsio: Segredinhos em reunião não são de boa educação…

Sara: Nada disso, Pérsio, estamos falando do famoso profeta e da rameira e dos cabeludos que o acompanham… A fama deles deve vir dos piolhos que carregam em cima, rá!

Pérsio: Se fossem só piolhos!… Mas, o que me dizem daquele publicano com cara de bêbado? Podem crer, estou francamente decepcionado…

Manasses: Ei, amigos! A mesa está servida!…

Pérsio: Bom, mas o costume…

Manasses: Enfim… podem lavar as mãos ali…

Como estávamos com muita fome não ouvimos Manasses, o dono da casa, quando nos convidou para lavar as mãos, segundo o rito de purificação dos fariseus. Eles sim as lavaram, e só depois se sentaram para comer… Depois de um instante, o vinho e a comida boa soltou a língua de todos e nos fizeram esquecer o frio recebimento da primeira hora. Pedro, muito animado, chupava uma atrás da outra as costelas de cordeiro… Felipe, perto dele, rebuscava na fonte os pedaços de carne que ainda sobravam…

Felipe: … e eu troquei o pavio pelo candeeiro. E então o sujeito me disse: candeeiro sem pavio serve para que?… Ro, ro, ro!… O que vocês acham?

Natanael: Ei, Maria, passe-me o molho, ele está muito gostoso!

Pedro: O que está gostoso é esse cordeiro, carambolas! Minha sogra Rufa diz que quem come a carne tem de roer os ossos…!

Melita: Bom, bom, nem tudo nessa mesa vai ser ficar falando do cordeiro, não é mesmo? Já que temos um profeta aqui conosco, eu gostaria muito de ouvir alguma coisa a respeito de … bom, acontece tantas coisas nessa cidade que… Isto é Babilônia, Jesus, Babilônia. Sem ir mais longe, você sabe do caso da família dos Ptolomeus… O que você acha daquilo que fizeram com a filha de Benisabe?

Jesus: Não sei… Não conheço essa família, dona Melita…

Melita: Ai, mas se você a tivesse conhecido… Pobre menina… bom, pobre não, uma perdida, essa é a verdade. Por essas e por outras, como não gosto de me meter na vida alheia… mas me contaram de fonte segura que está grávida e de nada menos do que o Eulogio, seu primo-irmão…! O pai, como vocês podem imaginar, está arrasado!

Sara: Arrasado? Aquele lá arrasado?… Qual o quê!… Pai de peixinho é peixão!

Melita: Bom, Jesus, você bem sabe, isso é o que andam dizendo, mas…

Sara: Mas não contam nem a metade. Se alguém dissesse tudo o que viu… E não é que eu goste de falar de ninguém, mas há coisas do arco-da-velha…

Melita: Eu não sei se você ficou sabendo daquela vez que a mulher escapuliu pela janela… Foi um escândalo em toda Jerusalém! Acontece que…

Depois de um tempo, os criados apareceram com um jarro de água para as purificações costumeiras durante as refeições dos fariseus… E começaram pela ponta da mesa onde estava Felipe…

Natanael: Felipe, homem, não derrame…

Felipe: O que?… Hip…! Mais vinho? Este sim está bem fresquinho!… Epa, abra-se, garanta, que aqui vai!

Felipe agarrou o jarro com as duas mãos gordurentas e bebeu um gole da água das purificações rituais…

Pérsio: Mas, que grosseria é essa?

Sara: Esse homem está bêbado… E olhe a rameirinha ao lado rindo pra valer!

Neemias: Isso é o cúmulo!

Quando Felipe largou o jarro e limpou a cara ensopada com a manga da túnica, Neemias, o magistrado, levantou-se da mesa e, com ares de grande dignidade, saiu da sala de jantar…

Madalena: E a esse aí, o que acontece agora?

Felipe: E eu sei lá?!… Vai ver que o molho apimentado zangou as tripas dele…

Natanael: Não, Felipe, a coisa é com você…

Felipe: Comigo? Não, Nata, acho que ele foi à privada… tenho certeza…

Então o fariseu Pérsio se pôs de pé…

Pérsio: Sinto muito, senhores, mas não posso me calar nenhum momento mais… Resisti durante toda a refeição. Mas já não agüento. Neemias, meu amigo, tampouco pôde suportar… Não, ele não foi à latrina como ouvi insinuar um de vocês e, certamente, o mais ordinário. O doutor Neemias retirou-se da mesa porque o que está acontecendo aqui lhe é intolerável. E é. Nenhum de vocês cumpriu o rito de lavar as mãos ao entrar. Nenhum tampouco as lavou enquanto comíamos. E agora este indivíduo, o mais grosseiro que já vi em minha vida, fez o que todos pudemos ver!

Felipe: Não me aponte com esse dedo…! Sim, sim, está bem, eu sou um porco… bom, isso eu já sei, caramba!

Madalena: Ei, conterrâneo, perdoe o Felipe e vamos continuar comendo! Isso, perdoado e em paz… E se você quiser, eu lhe canto uma modinha para alegrar o ambiente…

Natanael: Cale-se, Maria, senão você vai embolar ainda mais a coisa…

Melita: Isso é uma sem-vergonhice! Eu também vou embora… “O profeta e seus amigos…” Rá!

Quando a senhora Melita, muito irritada, saiu da sala de jantar, Manasses, o dono da casa, olhou Jesus com desprezo…

Manasses: Até um momento atrás eu teria gostado de perguntar-lhe, nazareno, a você que chamam de profeta de Deus, teria gostado de perguntar-lhe, digo, porque seus companheiros não lavaram as mãos antes de sentarem-se à minha mesa. Mas vejo que você tampouco fez isso. Vejo que você, o mestre, o que deve ensinar aos demais o caminho da Lei, tampouco cumpre a Lei.

Jesus: E você a cumpre em demasia, amigo.

Jesus se levantou e se apoiou com as duas mãos sobre a mesa…

Jesus: Desculpe-nos, Manasses. É a falta de costume. Nós, os camponeses, não sabemos muito de boas maneiras nem desse tipo de coisa. Temos as mãos sujas…

Manasses: Fico contente que você reconheça isso, Jesus…

Jesus: … mas, a bem da verdade, temos a língua mais limpa que sua mulher, que passou toda a refeição murmurando contra a vizinhança inteira.

Manasses: Perdão. Será que eu ouvi bem, ou…?

Jesus: Sim, você ouviu bem. E se quisesse, ouviria ainda melhor. Escute, fariseu: o que suja o homem não é o que entra pela boca, mas o que sai. O que entra, vai para as tripas e das tripas para a latrina. Mas o que sai vem do coração: do coração vem os ciúmes, as mentiras, o acreditar-se melhor que os demais… Isso sim é que mancha o homem.

Jesus: E você veio me dizer que seu amigo era mais aberto que um livro, heim, Nicodemos?… Pois nem o dos sete selos é assim!

Nicodemos: Está bem, Jesus, mas… da próxima vez, tenha um pouco mais de tato.

Jesus: E que eles tenham um pouco menos de língua, caramba…! Pois se a língua crescesse como o cabelo, imagine só o topete que teriam aquelas senhoras!

Nicodemos nos acompanhou até Betânia, do outro lado do Monte das Oliveiras, onde nosso amigo Lázaro nos esperava com um sorriso hospitaleiro. Lá sim, em sua taberna, podíamos sentar-nos à mesa com as mãos sujas…

*Comentários*

Em Jerusalém, a classe mais endinheirada e com maior influência social era a dos sacerdotes. Ao lado deste poderoso círculo das famílias sacerdotais, estava uma aristocracia leiga, formada por latifundiários e grandes comerciantes – principalmente de trigo, vinho, azeite e madeiras. Esses ricos tinham seus representantes no Sinédrio (tribunal jurídico e administra-tivo de Israel). Nicodemos, como conselheiro do Sinédrio, pertencia a esta classe social e seus amigos deveriam naturalmente fazer parte dela.

Jerusalém, como acontece geralmente com cidades capitais, era a que ditava a moda entre as classes ricas de todo o país. Os ricos de Jerusalém eram gente muito aficionada ao luxo nas casas, nas roupas e na comida. Os banquetes, a forma de organizá-los – até se contratava cozinheiros especiais para deslumbrar os hóspedes – eram uma das ocasiões em que os ricos tratavam de marcar ainda mais sua privilegiada classe social. Cuidava-se especialmente da forma de convidar os comensais e havia rigorosos costumes neste sentido: enviar mensageiros e até cartão de convite. A curiosidade e o motivo que leva neste episódio os ricos amigos de Nicodemos a convidarem Jesus , a quem olhariam com muitos reparos, mas de quem esperariam algo de original, interessante e novidadoso, a tal ponto de compensar o “sacrifí-cio” de acolhê-lo em sua casa.

Os aristocratas que aparecem neste episódio são além de ricos, fariseus. Nem sempre os fariseus foram gente endinheirada, mas os dirigentes desse grupo religioso eram sim das classes altas. Eles costumavam lavar as mãos antes e durante as refeições. Esta ablução não era só uma medida higiênica. Originalmente, os sacerdotes estavam obrigados a ela como um sinal ritual de sua “santidade”. Mais tarde, os fariseus se apropriaram disso para marcar assim seu caráter de prediletos de Deus, pois eles se achavam “os santos”. Jesus e seus companheiros não tinham nenhum hábito escrupuloso desse tipo.

Fundamentalmente, o conflito que se coloca neste episódio é mais que um choque de diferentes concepções religiosas diante da pureza dos ritos, é um conflito de classes sociais. Muitas vezes se pretendeu identificar as boas maneiras com a virtude cristã, quando uma coisa não tem nada a ver com a outra. Uma pessoa pode ser muito “mal falada” e isso não é uma virtude nem um defeito ao nível cristão. É conseqüência do ambiente onde se criou. Diante disso é preciso lembrar que o evangelho surgiu entre pessoas simples. E que Jesus, que era parte dessa gente, não seria, seguramente, nada cuidadoso com as formalidades sociais.

Jesus contrapõe a falsa pureza dos fariseus ricos, que se traduz somente em abluções de mãos, com a pureza da língua, que evita fazer juízos sobre os outros. Atrás das murmurações e das fofocas das senhoras de Jerusalém, há orgulho, desprezo aos outros, falso moralismo. Desejo, sobretudo, de ressaltar a diferença que faz delas e de suas famílias, gente superior. Isso é o que Jesus lhes joga na cara. Sobre os vícios da língua – que evidentemente não são patrimônio das classes altas – existe um interessante texto na Carta de Tiago (Tg 3, 1-18).

(Mateus 15, 1-20; Marcos 7, 1-23)

98- COM AS MÃOS SUJAS

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.