Capítulo 20 – MUDAR DE RUMO

Terra, teto e trabalho para todos nossos irmãos e nossas irmãs. Já disse e repito: são direitos sagrados. Vale a pena, vale a pena lutar por eles. Que o clamor dos excluídos se ouça na América Latina e em toda a terra.

FRANCISCO Irmãs, irmãos. A paz esteja com vocês! A paz e o amor e a felicidade! Eu, Francisco de Assis, cantei e louvei a Deus, pela irmã Mãe Terra, que nos sustenta e produz os mais variados frutos com coloridas flores e plantas! A Terra, nossa casa comum! Você me procurou primeiro, irmã Mãe Terra. Agora sou eu quem te procura. Necessito conversar contigo. Necessito teu conselho de mãe.

TERRA Fala, Francisco, meu filho.

FRANCISCO Estou assustado, Mãe Terra. Nestes dias falei com todas as criaturas de Deus.

TERRA E o que te disseram?

FRANCISCO O mesmo que você. Dizem-me que se não mudarmos de rumo, este mundo acaba. Que se os seres humanos insistem nessa forma de viver, de produzir, de consumir, de gastar e descartar, isto acaba. Será que ainda temos tempo,
Mãe Terra?

TERRA Se tivessem aprendido com as mães que cuidam de seus filhos, de suas filhas… Se tivessem aprendido das mulheres que cuidam da vida, da terra, das sementes… Mas não o fizeram.

GALOPE DISTANTE

TERRA Não sei se ainda há tempo, Francisco, não sei… Não está ouvindo ao longe um galope de cavalos?

FRANCISCO Sim, ouço… O que são, quem são?

TERRA São os cavaleiros… Cavaleiros dos acontecimentos terríveis que estão para acontecer… se não mudarmos de rumo.

GALOPE DO PRIMEIRO CAVALO

TERRA Olha o primeiro… Um cavalo branco anunciando a vitória das corporações, o triunfo dessa ideia do crescimento infinito, do mercado sem controle… Com essa mentira de que os recursos do planeta nunca vão acabar me esgotam até o limite e mais além do limite…

FRANCISCO A vitória do deus dinheiro.

GALOPE DO SEGUNDO CAVALO

TERRA Olha, Francisco, olha o segundo cavalo. É vermelho… Vermelho de sangue, como as guerras, as infinitas formas de violência… Invadem países para roubar petróleo, para ficar com as minas de coltan, com as minas de ouro… Guerras com armas cada vez mais mortíferas que arrasam a casa comum…

FRANCISCO …e sacrificam os mais frágeis.

GALOPE DO TERCEIRO CAVALO

TERRA O terceiro cavaleiro vem montado em um cavalo amarelo. É a cor da fome. Mães com os peitos secos, crianças mortas antes do tempo, anciões miseráveis, sem forças… A fome, o grande pecado do mundo. Um bilhão de seres humanos vão dormir hoje sem comer, passando fome.

FRANCISCO E não será por falta de comida, mas sim por excesso de cobiça.

GALOPE DO QUARTO CAVALO

TERRA E o quarto vem em um cavalo negro. Negro como o petróleo. Como os gases sujos que aquecem o planeta. Como as florestas convertidas em cinzas. É o cavaleiro da morte. O que anuncia a mudança climática.

FRANCISCO E os seres humanos ainda terão tempo, Mãe Terra? Poderão impedir a catástrofe?

TERRA Depende de duas coisas, Francisco. A primeira, que os pobres, os homens e as mulheres descartados por este sistema que já não se aguenta, abram sua mente.

FRANCISCO Por que diz isso, Mãe Terra?

TERRA Porque jogam a culpa em Deus de tudo o que lhes acontece. Se os filhos morrem de fome, dizem:

MULHER Foi a vontade de Deus.

TERRA O patrão abusivo os explora, os abusa…

HOMEM Por algo será. Deus quis assim.

TERRA Se adoecem por respirar ar com chumbo. Se a empresa mineradora contamina o rio com mercúrio.

MULHER O que podemos fazer? Entrego a justiça a Deus.

TERRA Quando não têm trabalho nem teto nem terras…

VÁRIOS Rezemos, irmãos, Deus proverá!

FRANCISCO Mas não basta rezar. Em minha terra diziam: Deus ajuda a quem se ajuda.

TERRA Também jogam a culpa em Deus do que acontece comigo. Inundações, furacões, mudança do clima…

HOMEM Castigo de Deus por nossos pecados!

TERRA Se acontece uma seca acendem velas para que Deus mande chuva. São como bebês que esperam tudo da mamãe.

FRANCISCO Os maus pregadores lhes ensinaram essa resignação.

TERRA Talvez você também, Francisco, quando pregava.

FRANCISCO Sim, Mãe Terra, eu também. E por isso, como o meu xará Francisco, quero pedir perdão por todos os erros que dissemos em nome de Deus.

TERRA Pois já é tempo de abrirem os olhos e descobrirem os responsáveis!

FRANCISCO Diga em voz alta, Mãe Terra. Denuncia-os.

TERRA Os responsáveis são os empresários, os banqueiros, os políticos, os governantes dos países ricos que exploram os países pobres. E os governantes dos países pobres que se deixam comprar pelos ricos.

FRANCISCO A esses abusivos não lhes preocupa o que acontece nem o que pode acontecer…

TERRA Não lhes interessam os direitos das gerações futuras! Ouça, Francisco: os indígenas destas terras do Norte quando decidiam mudanças em seu ambiente sempre faziam uma pergunta muito sábia:

ANCIÃO Como o que vamos fazer afetará as sete gerações que virão depois de nós?

FRANCISCO Mãe Terra, disseste que a solução dependia de duas coisas. A primeira, que os pobres abram sua mente. E a segunda, imagino, que os poderosos abram seu coração.

TERRA Você sempre foi ingênuo, Francisco. Não. Os que têm tudo negam os problemas, são indiferentes ante a dor dos outros. Têm o coração de pedra. O poder e o dinheiro os embriagou, como a besta do apocalipse. Não vão abrir seu coração e muito menos seu bolso.

FRANCISCO E então, Mãe…?

TERRA O que eles têm que abrir, assim como os pobres, é sua mente. Porque a catástrofe afetará primeiro os mais débeis. E depois, também a eles. Quando um barco afunda, todos afundam. Os gases do aquecimento global não conhecem fronteiras. Seus filhos e seus netos também não sobreviveram. Suas cidades serão tragadas pelo mar. Queimarão de calor, igual aos pobres.

FRANCISCO Os pobres esperando tudo de Deus.

TERRA E os poderosos achando que são deus… Como se fossem amos e senhores da Criação.

FRANCISCO Mas não são Deus. Nós humanos não somos donos de ti, Mãe Terra, só guardiões. Porque não te recebemos de herança de nossos antepassados. A tomamos emprestado de nossos filhos, de nossas filhas.

TERRA Tuas palavras são sábias, Francisco. Sagradas.

FRANCISCO Louvado sejas, meu Senhor, presente em todo o universo
E na menor de tuas criaturas.
Vós, que rodeias com vossa ternura tudo o que existe,
derrama em nós a força de vosso amor
para que cuidemos da vida e da beleza.
para que vivamos sem ferir a ninguém.
Alenta-nos em nossa luta pela justiça, pelo amor e pela paz.

TERRA Que assim seja, irmão Francisco.

FRANCISCO Assim será, irmã Mãe Terra.

Diz o Papa Francisco em sua encíclica Laudato Si, Louvado Sejas:

As previsões catastróficas já não se podem olhar com desprezo e ironia. Às próximas gerações, poderíamos deixar demasiadas ruínas, desertos e lixo. O ritmo de consumo, desperdício e alteração do meio ambiente superou de tal maneira as possibilidades do planeta, que o estilo de vida actual –por ser insustentável– só pode desembocar em catástrofes, como aliás já está a acontecer periodicamente em várias regiões… A esperança convida-nos a reconhecer que sempre há uma saída, sempre podemos mudar de rumo, sempre podemos fazer alguma coisa para resolver os problemas. (Laudato Si, 161, 61)

E disse o Papa Francisco no Encontro com os Movimentos Populares na Bolívia:

Terra, teto e trabalho para todos nossos irmãos e nossas irmãs. Já disse e repito: são direitos sagrados. Vale a pena, vale a pena lutar por eles. Que o clamor dos excluídos se ouça na América Latina e em toda a terra.

PERGUNTAS PARA O DEBATE

1- Você é otimista ou pessimista sobre o futuro da Terra?

2- Você está de acordo com isso de que “Deus proverá”? Por que sim ou por que não?

3- Podemos ser cristãos sem ter consciência ambiental? O que significa cidadania ecológica?

Capítulo 20 – MUDAR DE RUMO

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.