INTERNET COMO DIREITO HUMANO

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Garantir o acesso universal à Internet deve ser uma prioridade de todos os estados.

Durante muitos anos os meios de comunicação estiveram nas mãos de muito poucos. Com a desculpa de que ter meios era muito caro e que as frequências de rádio e televisão eram muito escassas, a cidadania sempre esteve limitada ao acesso aos chamados meios massivos.

Mas chegou a Internet e a coisa mudou. Frente à escassez de oportunidades, agora temos abundância de iniciativas midiáticas através da Rede.

Não se pode negar. Internet é, atualmente, a principal fonte de informação e comunicação no planeta. Mais do que nunca, o Direito à Comunicação se exerce pela Rede. E para isso necessitamos estar conectados, ter acesso.

As cifras são otimistas. Segundo os últimos dados, quase 40% dos cidadãos e cidadãs da América Latina e Caribe acessa diariamente a Internet. Alguns consultam e-mails, outras lêem notícias e a maioria navega pelas Redes Sociais.

Mas ainda assim, continuam sendo minoria. Como também são os que têm acesso ao trabalho, à água, à educação ou à saúde.

Neste 17 de maio se celebra o Dia das Telecomunicações e da Internet. E é um bom momento para recordar aos governos que, do mesmo modo que existe um Direito ao trabalho, à água, à saúde ou à educação, também a Internet é reconhecida como Direito Humano. Assim o declararam as Nações Unidas no passado mês de junho de 2011.

O Relator Especial da ONU para a Liberdade de Expressão, Frank La Rue, disse nesta ocasião que a Internet é “um dos mais poderosos instrumentos do século para aumentar a transparência na conduta dos poderosos, ter acesso à informação e facilitar a participação ativa dos cidadãos na construção de sociedades democráticas”.

Por isso, as Nações Unidas asseguram que garantir o acesso universal à Internet "deve ser uma prioridade de todos os estados". Além disso, manifestaram-se contra as leis e governos que restringem o acesso da cidadania à Rede e a favor de que não se viole o direito de privacidade e proteção de dados.

RADIALISTAS se somam neste Dia da Internet a todas as vozes que exigem:

Uma Internet para todas as cidadãs e todos os cidadãos.

Uma Rede onde a cultura e a informação circulem em liberdade e sem restrições. Onde não existam leis SOPA, nem PIPA, nem CISPA, nem nenhuma outra que limite o acesso ou permita aos governos controlar ou limitar a Rede.

Uma Internet onde as grandes Redes Sociais não trafiquem com nossos dados ou nos censurem.

Uma Internet ao serviço dos povos, regulada em seu benefício e não para favorecer os interesses das grandes empresas transnacionais das telecomunicações.

Internet como Direito Humano já!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Difunda os 10 DIREITOS E PRINCÍPIOS DA INTERNET

Promovidos por IRP – Internet Rights and Principles Coalition http://irpcharter.org/campaign/

1) Universalidade e Igualdade

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos, que devem ser respeitados, protegidos e cumpridos no ambiente digital.

2) Direitos e Justiça Social

A Internet é um espaço para a promoção, proteção e cumprimento dos Direitos Humanos e do crescimento da justiça social. Toda pessoa tem o dever de respeitar os direitos dos demais no ambiente digital.

3) Acessibilidade

Toda pessoa tem igual direito a ter acesso e utilizar a Internet de forma segura e livre.

4) Expressão e Associação

Toda pessoa tem direito de buscar, receber e difundir informação livremente na Internet sem censura nem interferências. Todo mundo tem direito a se associar livremente através da Internet, com fins sociais, políticos, culturais ou de outro tipo.

5) Confidenciabilidade e proteção de dados

Toda pessoa tem direito a privacidade online. Isto inclui o não ser vigiado, o direito a criptografar seus dados e o direito ao anonimato. Todo mundo tem direito à proteção de dados, incluindo o controle sobre o recolhimento, retenção, transformação, eliminação e divulgação de seus dados pessoais.

6) Vida, Liberdade e Segurança

O direito à vida, a liberdade e a segurança devem ser respeitados, protegidos e cumpridos na Internet. Estes direitos não devem ser infringidos ou utilizados para infringir os direitos de outros.

7) Diversidade

A diversidade cultural e linguística na Internet deve ser promovida, a inovação técnica e política devem alentar e facilitar a pluralidade de expressão.

8) Igualdade

Todo mundo terá acesso universal e aberto aos conteúdos da Internet, livre de discriminação (de pacotes), filtrado ou controle de tráfico por razões comerciais, políticas ou de outro.

9) Normas e Regulamento

A arquitetura da Internet, os sistemas de comunicação e os formatos de documentos e dados devem se basear em padrões abertos que garantam a inter-operabilidade completa, a inclusão e a igualdade de oportunidades para todos.

10) Governo

Os Direitos Humanos e a Justiça Social devem ser a base jurídica e normativa sobre a que operar na Internet. Isto acontecerá de maneira transparente e multilateral, com uma Internet baseada nos princípios da participação inclusiva e a prestação de contas. 

INTERNET COMO DIREITO HUMANO

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.