O DIREITO A MORRER COM DIGNIDADE

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Maria Humbert facilitou a morte de seu filho tetraplégico.

LOCUTOR Não era uma data qualquer. Naquele 24 de setembro se cumpriam três anos do acidente que havia deixado tetraplégico, mudo e cego, ao seu filho Vicente.

EFEITO PASSOS COM RESSONÂNCIA. PORTA.

LOCUTORA Às cinco e meia, como todas as tardes, Maria Humbert chegou ao quarto 125 da clínica de Berck-sur-Mer, no norte da França.

EFEITO ARRASTAR DE CADEIRA METÁLICA

LOCUTOR Sentou-se junto à cama onde jazia paralisado seu filho. Como sempre, tomou sua mão direita, a única que o jovem podia mover ligeiramente e começou a recitar o abecedário.

MÃE A, b, c, d, e, f, g…

LOCUTORA Com o polegar na mão de sua mãe, Vicente pressionava cada vez que ela pronunciava a letra desejada. E assim, letra por letra, a mãe ia anotando a frase que seu filho queria transmitir-lhe…

FILHO Você… deu-me… a vida… agora… dê-me a morte.

CONTROLSICA EMOTIVA FLASH BACK

EFEITO BATIDA DE CARRO

LOCUTOR Vicente tinha sido bombeiro voluntário. Voltando para casa, depois de um plantão, seu carro espatifou-se em uma estrada municipal. Levou nove meses para acordar. Mais dez meses para expressar suas primeiras palavras pressionando o polegar.

FILHO Mamãe… alegro-me… que esteja… aqui.

LOCUTORA Para ficar junto a seu filho, Maria deixou o trabalho e foi morar em um pequeno apartamento perto do hospital. Estava sozinha.

LOCUTOR A solidão de Vicente era ainda pior. A namorada e os amigos o visitaram uma vez, mas não voltaram mais.

LOCUTORA O jovem tinha completado 22 anos e os médicos anunciaram que assim, tetraplégico, totalmente imóvel, preso em um corpo inútil, poderia viver ainda muitos anos.

FILHO Não vejo… Não cheiro… Não posso falar… Não posso… fazer nada… Lavam-me… vestem-me. Sou um vegetal.

LOCUTOR Apesar da enorme dificuldade, letra por letra, palavra por palavra, Vicente ditou um livro contando sua tragédia e expressando seu firme desejo de morrer.

FILHO Esta vida… que me obrigam a viver… não a quero… Isto não é vida… Não quero viver.

LOCUTORA Os médicos foram francos com sua mãe. Não havia esperança alguma de recuperação.

LOCUTOR Mas Maria, a mãe, não queria entender. Confiava que seu filho se curasse. Talvez um milagre…

LOCUTORA Mas passava o tempo, os meses, três anos…

FILHO Você… deu-me… a vida… agora… dê-me a morte.

LOCUTOR Vicente lhe pedia para morrer. Que o ajudasse a morrer. O pedia insistentemente. Finalmente, a mãe se rendeu.

MÃE Como negar-lhe o seu único desejo? Eu o trouxe ao mundo. E agora o farei nascer em outro mundo onde será feliz.

LOCUTORA Maria Humbert foi aos jornais, aos canais de rádio e televisão defendendo o direito de seu filho a morrer com dignidade. Mas nenhum médico queria ajudá-la…

MÃE Pois eu o farei. Se não o fizesse, não poderia olhar-me no espelho. O que você faria se seu filho lhe dissesse todos os dias: Mamãe, não agüento mais, por favor, me liberte?

CONTROLSICA EMOTIVA

LOCUTOR Em 24 de setembro de 2003, quando se cumpriam 3 anos do fatal acidente, a mãe foi cumprir o desejo mais profundo do filho: morrer

EFEITO PASSOS COM RESSONÂNCIA. PORTA.

LOCUTORA A mãe se aproxima. O beija pela última vez. E injeta uma dose de barbitúricos na sonda que seu filho tem conectada ao estômago.

EFEITO GOTAS

ENFERMERO (3 P) O que a senhora está fazendo?

MÃE O que tinha que fazer.

CONTROLSICA DRAMÁTICA

LOCUTOR Maria Humbert, a mãe, foi presa. Dois policiais a escoltaram até a delegacia e ali ficou detida por “tentativa de assassinato”.

LOCUTORA Ao injetar os barbitúricos a mãe só tinha conseguido mergulhar Vicente em um coma profundo.

MÃE Se tenho que ir para cadeia, irei. Depois da dor que suporto já há três anos vendo o meu filho sofrer, a prisão não será nada.

LOCUTOR Dois dias depois do ocorrido, o doutor Frédéric Chaussoy decidiu retirar o respirador artificial.

DICO Assumo a responsabilidade. É preciso acabar com a falta de leis e com a hipocrisia com respeito à eutanásia. As pessoas têm direito a morrer com dignidade.

CONTROLSICA EMOTIVA

LOCUTOR Em seu livro, Vicente deixou escrito:

FILHO Não julguem a minha mãe. O que ela vai fazer por mim é a sua mais bela prova de amor.

LOCUTORA Vicente Humbert pode descansar, finalmente, na manhã de 26 de setembro de 2003. Pediu para ser cremado e que celebrassem uma missa com sua canção favorita.

O DIREITO A MORRER COM DIGNIDADE

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.