119- UMA COROA DE ESPINHOS

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Centurião: Governador Pilatos, já demos as 39 chibatadas no nazareno, conforme manda a lei.

Pilatos: E o que conseguiram tirar dele?

Centurião: Nada. Nem uma palavra. É como ordenhar uma pedra.

Pilatos: Só podia ser judeu! Raça de burros xucros! Já estou farto dessa gente e de todas as suas confusões, maldição!

Centurião: A bem da verdade a este burro xucro resta muito pouco para resfolegar. O prisioneiro está destroçado…

Pilatos: Então, solte-o já. E que Caifás e sua cambada não apareçam outra vez para me amolar.

Centurião: Caifás e sua cambada estão lá fora esperando por sua excelência…

Pilatos: Que o deus Plutão leve todos eles para o inferno!… Onde está esse homem?

Centurião: O nazareno?

Pilatos: Sim.

Centurião: Ainda está nos calabouços, governador. Com os soldados.

Um soldado: Agora é sua vez, Tato!

Tato: Diabos! Aqui qualquer um fica com sono… Que calor!

Gordo: Vamos, homem, jogue de uma vez…

Soldado: Três e dois! Perdeu, Tato! Você será o reizinho! Rá, rá!

Para matar o aborrecimento das longas horas sem fazer nada, os soldados romanos costumavam jogar dados nos calabouços úmidos e nauseabundos da torre Antônia…

Gordo: Ei, tragam uma venda para os olhos desse safado!

A brincadeira do reizinho era muito popular em nosso país. Pintava-se uma roleta no chão, com números e figuras, e jogava-se os dados sobre elas. Quem perdia tinha que se fazer de rei e adivinhar com os olhos vendados que companheiro batia nele…

Tato: Não aperte tanto o lenço, caramba, eu não vou trapacear!

Outro soldado: Ei, companheiros, olhem só o que eu trouxe…!

Tato: Deixe-me ver… Caramba! Vejam como o Celso deixou o profeta judeu!… Madurinho!…

Outro soldado: É como tinha que deixar… Esse é um passarinho muito raro…

Um soldado gordo e forte arrastou Jesus até um dos cantos do calabouço e o deixou jogado ali. Seu corpo, quase nu, dobrou-se sobre si mesmo, respirando agitadamente. De suas costas, laceradas pelos açoites, corriam fios de sangue que iam formando pequenas poças sobre o chão úmido…

Gordo: Mas, por que você trouxe esse elemento para cá?

Outro soldado: Você tem idéia de como está o “Inferno”? Uma gaiola cheia de pássaros como este!… Nas festas é quando temos mais trabalho para fazê-los cantar… Este sujeito estava estorvando e me mandaram levá-lo a outro lugar… Um presente para vocês!

Tato: Então este é o famoso “profeta”? Rá, rá, rá…

O soldado se inclinou e agarrou Jesus pelos cabelos para ver-lhe o rosto…

Tato: Bah… este “foi” o profeta… Agora não é mais que lixo… Está acabado. Seria melhor jogá-lo no lixão para ser comido pelos abutres…

Outro soldado: Pois eu acho que não, o sujeitinho parece forte… Agüentou bem as trinta e nove chibatadas… Hoje de manhã, dois ficaram pelo meio do caminho…

Gordo: Agitadores! Bem feito para eles… Isso ainda é pouco. Quem manda se meter onde não é chamado…

Tato: Faz alguns meses conheci um desses revolucionários… Vocês precisavam ouvi-lo…! Mas suas bravatas duraram pouco…

Gordo: Vamos, homem, deixe de história e jogue… Você fica, gordo? Jogamos os dados e o Tato ficou de fazer o reizinho…

Soldado: Escutem vocês, não prenderam esse tal Jesus porque dizia que era o rei dos judeus…? Pois que ele seja o reizinho. O que vocês acham?

Tato: Rá, rá, rá! Boa idéia!…Vamos sentá-lo aqui… Traga um pano para tapar-lhe os olhos…

Gordo: Isso mesmo…

Tato: Não, meu lenço não, caramba… Pegue um trapo velho daqueles que estão jogados ali no canto, vamos…

Gordo: Vamos lá, sua Majestade Messias? Rá!

Dois soldados levantaram Jesus do chão e o arrastaram até um banco de pedra no centro do calabouço que servia para torturar os prisioneiros… E ali o sentaram…

Tato: Rá! Veja só que trono! O que você acha?

Soldado: Tape as “vergonhas” dele, Tato!… Um rei de cueca não impõe muito respeito… Rá, rá, rá…!

Tato: Tem razão… Vossa Majestade deseja alguma carícia? Hummm… Toma!!

O soldado lhe deu um murro nos testículos… O rosto de Jesus se contraiu de dor…

Tato: Com Roma é preciso ter cuidado, amigo… Quer outra?

Gordo: É melhor vendar a cara dele, homem… Senão a brincadeira fica sem graça…

Tato: Está certo, ponha o trapo nele de uma vez… Seus conterrâneos judeus não dizem que os profetas adivinham tudo? Pois vamos ver se adivinha de que mão vem as bofetadas!

Vendaram os olhos de Jesus. Como a duras penas se mantinha ereto, um dos soldados, por detrás, agarrou seu ombros para sustentá-lo…

Tato: Adivinha, reizinho, quem lhe deu esse golpezinho?

A primeira bofetada caiu pesada sobre seu rosto inchado, sacudindo todo o corpo de Jesus…

Tato: O que você diz, heim? Você não é profeta? Pois cumpra direito seu ofício, amigo! Nós romanos já cumprimos o nosso: ter nas nossas garras todos vocês… Vamos lá, valente, fale, que estamos ouvindo…!

Gordo: Somos todos ouvidos, rei de Israel!

Soldado: Espere, homem, agora é minha vez… Tome! Adivinha, profeta!

Jesus teria caído no chão se o soldado não o houvesse segurado por trás. As mãos, como duas tenazes, cravavam-se nas suas costas empapadas de sangue…

Soldado: Você não serve para esta brincadeira, amigo: nem cacareja nem põe ovos! Rá, rá!

Gordo: Bah, isso está muito chato…

Soldado: Deixem-no pra lá… Logo virão buscá-lo… Parece que vão soltá-lo. O governador não deve querer muita confusão com ele… As pessoas estão muito alvoroçadas lá fora…

Gordo: Rá! Não é para menos, já que dizem que ele é o Messias!

Tato: O Messias! Não é sempre que se tem um Messias à mão, caramba! Temos que aproveitar a oportunidade! Rá, rá, rá…!

Soldado: Escutem, por que não o vestimos como um rei? Já que ele é o Messias… Assim, quando o soltarem, toda essa chusma poderá aclamá-lo como merece…

Tato: Isso mesmo!… Vamos lá, eu me encarrego da coroa!

Gordo: Mas volte logo, que sua Majestade tem pressa!

Soldado: Enquanto a coroa não chega, um manto para o rei, camaradas!

Gordo: Aquilo serve! Traga aqui! Rá, rá, rá!

Um soldado jovem, com a cara cheia de espinhas, pegou do chão um trapo vermelho, que no devido tempo deveria ter sido o manto de alguém da tropa e que agora estava todo rasgado e cheio de pó, atirado em um canto…

Soldado: Isso mesmo! Messias, Rei, o povo coloca sobre seus ombros os cuidados do reino!

Puseram o trapo vermelho sobre as costas dilaceradas e ensangüentadas, apertando-o contra as feridas… Jesus uivou, cegado por aquela dor insuportável…

Soldado: É isso que acontece por se meter a salvador! Deixe-nos em paz, amiguinho. Aqui, cada um cuida da própria pele!

Gordo: Tire a venda dos olhos dele!… Que ele também possa ver sua realeza!

Tato: Aqui está a coroa, camaradas! O que vocês acham?

Soldado: Nem esse tal rei Davi que os judeus tanto falam teve uma melhor!

Era um chapéu de espinhos de sarça, quase secos, que o soldado havia arrancado do pátio da guarda. Ele e um outro haviam trançado depressa aquele macabro chapéu.

Soldado: Demônios! Isso machuca, caramba! Rá!

Tato: Ponha nele e deixe que a gente ajusta bem!

Soldado: Por ter tido uma cabeça tão dura, você merece esta coroa, reizinho rebelde!

O soldado deixou cair o chapéu de espinhos sobre o cabelo revolto de Jesus…

Tato: Mas essa coroa ainda nem tocou na cabeça real!

Soldado: Pegue um cetro para que entre melhor!

Então trouxeram um galho de oliveira, nodoso e retorcido, com o qual se batia nos presos…

Tato: Vamos, pra dentro! Tome!… Cada um tem que empunhar o certo e prometer obediência ao reizinho, vamos!

Com aquele pau, golpeavam o chapéu, encaixando-o até o fim. Os espinhos duros e afiados como agulhas atravessaram a pele da cabeça e da fronte… O rosto de Jesus foi se cobrindo de grossos fios de sangue…

Soldado: Às suas ordens, Majestade! Tome…!

Um dos espinhos se cravou no olho direito de Jesus. Ao sangue se misturou um líquido esbranquiçado que escorreu pelas faces…

Tato: Homem, não faça isso! Não deixe cego o nosso rei! Assim não poderá ver as reverências de seus súditos!

Quando se cansaram de golpeá-lo, os soldados puseram o galho de oliveira nas mãos sem forças de Jesus e começaram a girar em volta dele fazendo-lhe troças e dobrando os joelhos…

Soldado: Salve, rei dos judeus!

Tato: Salve, Majestade Messias!

Soldado: Vejam, até agora ninguém se deu conta de que nosso rei é barbudo? Isso não pode ficar assim!… Está ouvindo, amiguinho?… Nós vamos barbear você! São os costumes romanos e é preciso respeitá-los… O que você acha, heim?

Jesus estremeceu. O soldado que comandava o grupo agarrou com as duas mãos a barba abundante e crespa, empapada de sangue… E começou a arrancá-la com toda a força… Com os pelos arrancados pela raiz, levantava-se também a pele e as faces brutalmente despeladas começaram a minar sangue…

Soldado: Agora, sim, majestade! Agora sim nós o reconhecemos como nosso César! Rá, rá, rá…!

Tato: Salve, rei dos judeus!

Soldado: Olhem, olhem só como ele está tremendo… Esses tipos são assim mesmo, muito valentes no começo, mas quando são pegos, se mijam de susto…!

Gordo: Bem que eu achei que estava faltando alguma coisa! Os perfumes para ungir o reizinho! Ei, você, vai buscar os penicos da privada…!

Os soldados, treinados por seus chefes para o escárnio dos prisioneiros, riam a gargalhadas… Um deles veio logo com um jarro de metal que a tropa usava no calabouço para fazer suas necessidades…

Tato: Traga logo! Eu mesmo vou ungi-lo!… Viva o rei das urinas!

Os escrementos e a urina caíram sobre a cabeça de Jesus, escorrendo pelo manto vermelho e pelo peito… O ar se encheu de um cheiro nauseabundo…

Gordo: Que fedor tem o rei dos judeus, camaradas!

Jesus sentia em todo o corpo o latejar violento de sua cabeça atravessada pelos espinhos… Tinha o rosto banhado de sangue, que ia caindo lentamente pelo peito desnudo… Aquelas cruéis gargalhadas dos soldados golpeavam suas fontes como pedras lançadas de um poço escuro e sem fundo no qual se afundava, completamente só… O fedor dos escrementos sobre seu corpo se tornava insuportável… Abriu o olho que ainda estava são para olhar os soldados que continuavam fazendo-lhe troça… E chorou… Suas lágrimas, mais salgadas que seu sangue, rolaram pelas faces que estavam em carne viva… Sentiu que ia desmaiar e, com as últimas forças que lhe restavam, desejou a morte…

*Comentários*

Este não é um episódio terrificante. Não busca o sensacionalismo fácil, não é horror-ficção. Quase sempre ficamos tímidos ao tentar traduzir em palavras a dor de um homem ou uma mulher humilhados e desfeitos pela tortura. Jesus foi um desses homens. Sua integridade física, sua inteireza moral, sua própria fé sofreram golpes muito duros nos calabouços da Torre Antônia. Se Jesus nos precede no caminho, se por sua fé em meio à prova se tornou pioneiro dos que comprometem sua vida pela justiça (Hb 12, 2) foi também porque suportou a dor limite da tortura.

Nos relatos da paixão, os evangelistas recorrem sempre a três momentos nos quais Jesus foi objeto de zombaria dos poderosos. Os levitas-policiais a serviço dos sacerdotes do Sinédrio brincaram com ele uma espécie de “cabra-cega”, pedindo-lhe que adivinhasse quem batia nele (Lc 22, 63-65). Num segundo momento é Herodes e sua corrupta corte quem zomba dele, jogando sobre seus ombros um manto branco, distintivo do rei da nação (Lc 22, 11). Por último a soldadesca romana humilha Jesus colocando-lhe um manto vermelho e uma coroa, símbolos reais da época, desde o tempo dos gregos.

Nos ladrilhos que ainda hoje se conservam do Pátio Lajeado da Torre Antônia há algumas inscrições de grande interesse para entender o jogo que os soldados fizeram com Jesus durante sua prisão. Em um deles, rabiscado à faca, há um tabuleiro com casas. Conforme diversas investigações, parece que este jogo, que consistia basicamente em ir fazendo avançar fichas sobre essas casas até chegar a uma meta, tinha no final um prêmio para o vencedor: fazer-se de rei e impor provas aos perdedores. Chamava-se o jogo “do escorpião”, ou “do reizinho”. Os soldados usaram esse passatempo naquela ocasião e Jesus foi o seu humilhado reizinho.

A corte da Torre Antônia era composta por homens que pertenciam às tropas auxiliares que Roma recrutava nas províncias que estavam sob seu domínio. Estas tropas eram diferentes das dos legionários, que participavam nas guerras e eram na sua totalidade compostas por cidadãos romanos. Na província da Judéia as tropas auxiliares eram integradas por estrangeiros de diferentes regiões da Palestina. Os que serviam na Torre Antônia eram majoritariamente recrutas das terras centrais da Samaria. Os judeus estavam isentos de prestar esse serviço militar ao invasor. A coorte era formada por gente de baixa extração, sem escrúpulos, soldados doutrinados por seus chefes para a repressão.

Tudo é humilhante nesta cena. A única dignidade é dada pela resistência de Jesus, seu silêncio firme, seu espírito que não se dobra. O perdão ao inimigo, a não violência, o próprio mistério do pecado, tanto individual como estrutural (o mal que existe no coração do torturador, o mal que existe na estrutura que possibilita que haja homens assim), têm no marco da tortura uma significação muito especial.

(Mt 27, 27-30; Mc 15, 16-19; Jo 19, 2-3)

119- UMA COROA DE ESPINHOS

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.