Outro ponto de vista…

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Acostume-se a pensar a partir dos interesses dos demais.

NARRADORA Dizem que uma vez, havia um cego sentado em um parque, com um gorro a seus pés e um cartaz escrito com giz branco que dizia:

CEGO Por favor, ajudem-me. Sou cego.

NARRADORA Um publicitário criativo que passava frente a ele se deteve e observou umas poucas moedas em seu gorro.

PUBLICITÁRIO Pelo que vejo, não anda com sorte…

NARRADORA Sem pedir permissão ao cego, tomou o cartaz e o virou. Com o giz escreveu outro anúncio, o voltou a por aos pés do cego e se foi.

CONTROLE TRANSIÇÃO

PUBLICITÁRIO Boa tarde…

NARRADORA Pela tarde, o criativo voltou a passar na frente do cego que pedia esmola. Agora seu gorro estava cheio de notas e moedas. O cego reconheceu sua voz…

CEGO Ei, o senhor, não se vá…

PUBLICITÁRIO Sim, diga-me…

CEGO Uma pergunta: foi o senhor que mudou o meu cartaz?

PUBLICITÁRIO Sim, fui eu.

CEGO E… e o que foi que escreveu?

PUBLICITÁRIO Pois veja, amigo, escrevi o mesmo que o primeiro cartaz… mas com outras palavras.

NARRADORA O criativo sorriu e continuou seu caminho. No novo cartaz dizia: ESTAMOS NA PRIMAVERA E EU NÃO POSSO VÊ-LA.

CONTROLESICA EMOTIVA

LOCUTOR Moral da história: acostume-se a pensar a partir do ponto de vista dos demais, não do teu.

Outro ponto de vista…

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.