UM NEGÓCIO VERDE E DE CINCO PONTAS (3)

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Este é um negócio, my friend. Se em vez de perseguir a oferta perseguimos a demanda, nosso negócio acaba.

UM NEGÓCIO VERDE E DE CINCO PONTAS (2)

CONTROLE MÚSICA DE SUSPENSO

HOMEM 2 Washington. Departamento Especial Antidroga, DEA.

EFEITO CAMPAINHA PORTA

AGENTE (MULHER) Good morning. What do you want?

CAPITÃO Bom dia. Poderia falar com algum agente federal?

AGENTE Sobre que tema?

CAPITÃO Quero fazer uma denúncia. Sou o capitão Moya, da Agência Federal de Investigação do México.

AGENTE Entre, por favor.

EFEITO PASSOS

AGENTE Sente-se… Muito bem. Quem o envia e do que se trata?

CAPITÃO Sabe. Eu sei que aqui em Washington se encontra o estado maior da guerra contra as drogas.

AGENTE Correto. E?

CAPITÃO Aqui trabalham especialistas no crime organizado, o serviço secreto, o FBI, o zar antidroga, não é certo?

AGENTE É correto. E daí?

CAPITÃO Todos vocês formam um batalhão de milhares de funcionários públicos que gasta 30 bilhões de dólares anuais na luta contra o tráfico e o consumo de drogas, não é certo?

AGENTE Talvez um pouco mais, mas… qual é o problema?

CAPITÃO Que a quatro passos deste escritório, se encontram mercados de droga ao ar livre. Há para todos os gostos e bolsos. Aí, atrás da Casa Branca, você pode comprar maconha, haxixe, cocaína, heroína, cogumelos alucinógenos, êxtase, e qualquer porcaria que esteja na moda.

AGENTE Colega, creio que o senhor está um pouco perdido. Os Estados Unidos não persegue a demanda, mas a oferta.

CAPITÃO Pode explicar melhor?

AGENTE O que acontece quando há muita demanda de um produto e baixa oferta do mesmo?

CAPITÃO Evidentemente, sobem os preços.

AGENTE Correto. Qual é o valor real de um papelote de maconha? O mesmo que o de uma porção de batatas fritas. Mas se está proibida, se está perseguida, aumentam os preços. Hoje em dia, uma onça de cocaína vale dez vezes mais que uma onça de ouro. Sacou?

CAPITÃO Sacar o quê?

AGENTE Isto é um negócio, my friend. Se em vez de perseguir a oferta perseguimos a demanda, nosso negócio acaba.

CAPITÃO O que você me diz é surpreendente…

AGENTE Pois para que se surpreenda mais, lhe direi que tenho uma denúncia contra o senhor.

CAPITÃO Contra mim?

AGENTE Sim, contra o senhor. O senhor não é o capitão Filemón Moya, do corpo antinarcóticos do México?

CAPITÃO A seu dispor.

AGENTE Tenho uma denúncia contra o senhor de uma tal Linda Murray, da Califórnia.

CAPITÃO Deve ser um engano. Eu fiz o favor de dar uma carona a Linda Murray até a fazenda dela.

AGENTE O senhor ameaçou Linda Murray, uma honrada trabalhadora agrícola, sem nenhuma razão, de prendê-la. Isto é um delito. Além disso, o senhor não tem nenhuma jurisdição neste país.

CAPITÃO Mas, você sabe a que se dedica essa senhora? Ela planta maconha.

AGENTE O senhor não entendeu nada, capitão Moya. Nada. Acompanhe-me.

CAPITÃO Ei… Por que me põe estas algemas?… Se eu vim ajudá-los na guerra contra as drogas!

EFEITO FORCEJOS E GRADES

CONTROLE MÚSICA DE SUSPENSE

NARRADORA A guerra contra as drogas foi uma invenção do presidente Richard Nixon em 1971. Os Estados Unidos declarou o consumo destas sustâncias como o inimigo público número um da nação e lançou a maior ofensiva policial e militar de sua história contra todas as drogas, pesadas ou leves.

HOMEM 1 Mas é claro, deixou de fora o tabaco.

NARRADORA Passaram-se mais de 40 anos e o fracasso desta guerra é evidente. Os cartéis e os bandos de criminosos são hoje mais fortes que nunca e controlam países inteiros.

HOMEM 1 Mas, então, para que serviu a DEA e as fumigações com glifosato e os helicópteros armados e os cães amestrados e os controles obsessivos nas fronteiras e…?

NARRADORA A guerra contra as drogas só serviu para encher as prisões de jovens, para gastar bilhões de dólares, pagos pelos contribuintes, e para levantar uma montanha de mortos.

EFEITO RÁFAGA DE METRALHADORAS

NARRADORA Só no México, nestes últimos anos, se contabiliza 60 mil assassinados e esquartejados pelas máfias da droga.

CONTROLE MÚSICA DE SUSPENSE

NARRADORA Passou um dia, passaram dois, passaram três… e o capitão Moya continuava incomunicável atrás das grades. Até que um comandante mexicano apareceu pelos escritórios da DEA, em Washington.

AGENTE Já o estávamos esperando, comandante.

COMANDANTE Onde está esse capitão Moya, esse filho do tinhoso?

AGENTE Atrás. Ocupe-se dele, comandante. Esse tipo não é de confiança.

COMANDANTE Don`t worry. Este é assunto meu. Leve-me até ele.

EFEITO PASSOS E GRADES QUE SE ABREM

AGENTE Tem uma visita…

CAPITÃO (3P) Meu comandante! O senhor por aqui?

COMANDANTE Nenhum meu comandante. Você me meteu em uma tremenda confusão.

CAPITÃO Eu vou explicar, meu comandante…

COMANDANTE Não me explique nada. Fecha o bico. (RUÍDO PISTOLA)

CAPITÃO Mas, comandante, por que o senhor me ameaça com essa pistola? Eu vou lhe explicar…

COMANDANTE (MEIA VOZ) Te disse que feche o pico. (À AGENTE) Pode entregá-lo a mim. Deste eu me ocupo.

AGENTE O deixo em suas mãos, comandante. Faça um trabalho

“limpo”.

CONTROLE MÚSICA DE SUSPENSE

NARRADORA Esta história continuará.

UM NEGÓCIO VERDE E DE CINCO PONTAS (4)

UM NEGÓCIO VERDE E DE CINCO PONTAS (3)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.