KILLARICOCHA A MALDIÇÃO DA ABUNDÂNCIA (4)

Este radioclip es de texto y no tiene audio grabado.

Quarto capítulo de uma radionovela bem polêmica.

KILLARICOCHA A MALDIÇÃO DA ABUNDÂNCIA (3)


CAPÍTULO 4 MENDIGOS SOBRE UM BANCO DE OURO

CONTROLE MÚSICA CAMPONESA ALEGRE

LOCUTOR Killaricocha.

LOCUTORA A maldição da abundância.

NARRADORA A visita a Tambo Vermelho havia aberto os olhos dos moradores de Killaricocha. Chinesas, canadenses ou gringas, as empresas mineradoras a céu aberto eram terrivelmente ambiciosas. E terrivelmente poluentes.

EFEITO ÔNIBUS CHEGANDO

NARRADORA De volta ao povoado, Dona Lucy, o mestre Nicanor e os outros vizinhos foram diretamente à prefeitura…

PREFEITO Bom dia, senhores, o que os traz aqui?

NICANOR Viemos de Tambo Vermelho, senhor prefeito.

PREFEITO Tambo Vermelho? Não me soa familiar.

NICANOR Se lhe conto que lá opera uma mina de cobre, a maior desta região, talvez lhe soe.

PREFEITO Mina de cobre? Ah, sim, sim… Aí está uma grande empresa chinesa. Dizem que Tambo Vermelho tem agora estradas, hospitais, as pessoas estão felizes…

LUCY Contaram-lhe tudo ao contrário, senhor prefeito. A empresa não desenvolveu o povoado, desenvolveu a si mesma.

PREFEITO Dona, Lucy, não exagere.

NICANOR Senhor prefeito, não viemos discutir o progresso de Tambo Vermelho. Viemos pedir-lhe umas tantas explicações.

PREFEITO Explicações? Outra vez?

NICANOR Como foi que lhe deram a concessão de mineração à Green Golden Mines? Estas terras pertencem à comunidade.

PREFEITO Mestre Nicanor, essa pergunta a devem fazer ao governo central. Os governos locais não outorgamos concessões de mineração.

LUCY Então, o quê? O senhor está aqui de enfeite?

PREFEITO A concessão de mineração vem de cima.

LUCY De cima? As terras são nossas, não da gente de “cima”. Além disso, os da Green já estão explorando sem pedir-nos permissão.

PREFEITO Que permissão?… A ver, a ver, o que querem?

NICANOR Um referendo, senhor prefeito. Uma consulta para ver se a população está de acordo ou não com que venha a mineradora.

PREFEITO Pois eu também vou consultar. Já lhes disse que ordens são ordens.

NICANOR Pois se não se lembra, o convênio 169 da OIT diz que os povos indígenas e originários têm que ser consultados antes de qualquer projeto que afete seus direitos coletivos e seus territórios.

PREFEITO Ah rá… e desde quando vocês são indígenas?

LUCY Somos originários. Porque nossas avós e nossos tataravós nasceram e se criaram aqui, nestas terras.

CONTROLE MÚSICA DE SUSPENSE

NARRADORA Depois da reunião com o prefeito, Lucy se dirigiu a sua casa. Sua filha Anita e seu marido Fermín a esperavam preocupados.

ANITA Mamãe, o que houve? Já faz várias horas que o ônibus chegou.

LUCY Fomos direto para prefeitura. É pelo assunto da Green.

ANITA Mamãe, não te meta nisso.

FERMÍN Quer dizer que minha mulher viaja a outro povoado com esse mestre intrometido, e agora volta como se nada tivesse acontecido…

LUCY Não enche, Fermín. Estamos averiguando sobre as mineradoras.

ANITA Mamãe, deixa disso… Ouça, Gustavo veio te procurar.

LUCY E quem é esse?

ANITA Gustavo Sartori, mamãe.

FERMÍN O relações públicas da mineradora.

LUCY Estão me dizendo que um da Green esteve nesta casa? Anita, essa gente é perigosa.

ANITA Mamãe, Gustavo é um encanto.

LUCY Cuidado com os encantadores de serpente, filha, cuidado. E não quero que volte a recebê-lo aqui.

CONTROLE MÚSICA DE TRANSIÇÃO

NARRADORA Lucy e o mestre Nicanor convocaram novamente os vizinhos e vizinhas de Killaricocha. Se reuniram no salão comunitário…

NICANOR E é esta a situação, companheiros. Isso foi o que vimos e ouvimos na comunidade de Tambo Vermelho.

VIZINHA Um momento, mestre Nicanor. Eu tenho um compadre nesse povoado que

trabalha em mineração artesanal. Mas eu nunca tinha ouvido falar de minas a céu aberto. Como é isso? Explique para que entendamos.

NICANOR Acontece que nas minas de antes se tirava o mineral das entranhas da terra. Mas essas minas já estão acabando. Agora os minerais aparecem dispersos nas camadas superficiais de um terreno.

VIZINHO E então?

NICANOR Então, fazem minas a céu aberto, que assim são chamadas. Vou lhes explicar como trabalham. O primeiro passo é dinamitar a montanha, depois trituram essas toneladas de rocha e as convertem em pó. Depois, lavam tudo com milhares e milhares de litros de água misturada com cianureto, arsênico e não sei quantos venenos mais. Assim separam os grãozinhos de ouro ou de cobre dispersos na rocha.

LUCY E toda essa água venenosa vai parar nos rios, nas lagoas e até suja a água que está debaixo da terra.

FERMÍN (VOZ BAIXA) Não te meta, Lucy!

LUCY (VOZ BAIXA) Claro que me meto…

NICANOR Vizinhos e vizinhas, olhem estas fotos de Tambo Vermelho. Olhem o dano para que ninguém diga que são histórias.

VIZINHOS E VIZINHAS Que horror!… E esses buracos?

NICANOR Vocês não vão acreditar, mas há minas com crateras de mais de quatro quilômetros de largura e um quilômetro de profundidade. Sacaram? Um buraco daqui até esse horizonte ao fundo. Uma cratera gigantesca.

VIZINHA Mas… o que podemos fazer, mestre Nicanor?

NICANOR Podemos dizer que não queremos nenhuma mina em Killaricocha.

FERMÍN Isso é impossível, mestre. A empresa tem a concessão e já estão explorando, não viram os basculantes, as máquinas pesadas?

NICANOR As leis estão a nosso favor, seu Fermín. O governo firmou um convênio internacional pelo qual tem que consultar-nos antes de dar alguma licença de mineração.

CONTROLE MÚSICA ROMÂNTICA

ANITA Gustavo, só posso ficar um momento com você. Minha mãe e meu pai foram a uma reunião.

GUSTAVO Não importa, Anita… Temos tempo para tomarmos um sorvete.

ANITA Minha mãe não quer saber nada da mina, Gustavo.

GUSTAVO Não te preocupe, se convencerá quando conseguir um bom emprego para o teu pai.

ANITA Não me diga que pode fazê-lo.

GUSTAVO Por ti faço isso e muito mais… Sorvete de chocolate?

CONTROLE CORTINA MUSICAL

NARRADORA Nervoso, retorcendo os bigodes, o senhor prefeito ligou com urgência para gerente da Green Golden Mines.

PREFEITO Temos problemas. Alguns dirigentes estão inquietando a população. Exigem uma consulta prévia.

GERENTE (FILTRO) Tranquilo, my friend. As empresas mineradoras sabem como lidar com as comunidades, oh yes…

PREFEITO Não querem saber nada da mineradora.

GERENTE O povo entenderá que somos boa gente, que queremos seu bem-estar.

PREFEITO O senhor acha?

GERENTE Deixe em nossas mãos, my dear prefeito. Temos experiência nestas “consultas”, oh yes.

CONTROLE CORTINA MUSICAL

NARRADORA Lucy voltou muito cansada para sua casa. Ligou a rádio e se preparava para tomar um café, quando…

JORNALISTA (FILTRO) Neste momento, o Presidente da República está dando sua costumeira mensagem ao país…

PRESIDENTE Compatriotas, Deus pôs sob nossos pés uma enorme riqueza de ouro, prata, cobre… e continuarão nossos filhos morrendo de fome? Não, de maneira alguma. Não podemos continuar sendo mendigos sentados em um banco de ouro. Compatriotas, a mineradora vai porque vai. Sim ou sim. (APLAUSOS)

FERMÍN Ouviu, Lucy?

LUCY Já escutei, Fermín. O que no disse o “senhor presidente” é que essas empresas não deixam nada aos verdadeiros donos dessa riqueza.

EFEITO PORTA SE ABRE

ANITA Olá mamãe.

LUCY De onde vem, Anita?

ANITA Fui tomar um sorvete.

LUCY Sozinha? Ou com esse tipo da mina…?

FERMÍN Lucy, que há de mau em tomar um sorvete?

LUCY Ai, Fermín, não saca nada. Olha a cara de cabritinha degolada dela.

ANITA Mamãe!

LUCY Me preocupo, filha. E me preocupa essa mineradora. Não sabem quanto.

FERMÍN Deixa disso, Lucy.

LUCY Deixá-lo? O presidente acaba de de dizer que a mina vai porque vai. Muito bem. Pois eu digo que a consulta vai porque vai. Ou não me chamo Lucy.

LOCUTOR Uma produção de Radialistas Apaixonadas e Apaixonados e da Fundação Rosa Luxemburg.

KILLARICOCHA A MALDIÇÃO DA ABUNDÂNCIA (4)

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.